EduardoCapa.png
ASSINATURA.png
Vida e Obra do Poeta
EDUARDO GUIMARAENS

30 de março de 1892 - 13 de dezembro de 1928

EDUARDO GUIMARAENS

Por suas netas e netos

Eduardo Guimaraens faleceu em 1928, com 36 anos, deixando obra inédita composta de poesias, crônicas, artigos, traduções. A organização do acervo mostrou a importância de implementar um projeto para divulgar a sua obra, reunida em coleções de prosa e verso, teatro, traduções. Este movimento foi impulsionado pela presença de Eduardo na exposição Nós os de Orpheu, na Casa Fernando Pessoa (Lisboa, 2016). 

O PROJETO

O PROJETO

Notas sobre a origem e objetivos deste site.

A OBRA

A OBRA

Livros publicados em vida e póstumos

LIVROS INTERATIVOS

LIVROS INTERATIVOS

Desfrute de folhear os livros de Eduardo.

GALERIA DE IMAGENS

GALERIA DE IMAGENS

Fotos de Eduardo e família

OUTRAS PUBLICAÇÕES

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Publicações em jornais e revistas, cartas e dedicatórias.

OBJETOS PESSOAIS

OBJETOS PESSOAIS

Móveis e objetos do acervo de Eduardo Guimaraens

ACERVO DE LIVROS

ACERVO DE LIVROS

Livros do acervo pessoal

BIOGRAFIA

BIOGRAFIA

Linha do tempo da vida de Eduardo.

CONTATO

CONTATO

Fale conosco

 
LACRE.png
 

LIVROS PUBLICADOS

Em Vida

CAMINHO DA VIDA

1908

LIVRO_00000.jpg

Primeiro livro publicado em 1908 por Eduardo, aos 16 anos. Na crítica Impressões, de Jorge Jobim, publicada em jornal local, recorte integrante do acervo preservado por Etelvina e transmitido aos herdeiros, é salientada a qualidade dos poemas. O acervo de Eduardo Guimaraens não possui este livro

A DIVINA QUIMERA

1916

1 capa.jpg

Foi escrita em Porto Alegre e publicada no Rio de Janeiro. As imagens são do primeiro volume publicado, encadernado por Eduardo e dedicado à Etelvina, musa do poeta. Imagens feitas a partir deste exemplar. Etelvina em foto de capa da Revista Vida, de 1916

A DIVINA COMÉDIA
Canto Quinto do Inferno
1920
Canto Quito001_PQ.png

Tradução: Eduardo Guimaraens é o autor da primeira tradução da Divina Comédia para o português do Brasil. Eduardo escolheu o Canto Quinto do Inferno para traduzir.

LIVROS PÓSTUMOS

CAMINHO DA VIDA

1908

_6f230835921e1d9da6d12607cce334bbeaafd61

Primeiro livro publicado em 1908 por Eduardo, aos 16 anos. Na crítica Impressões, de Jorge Jobim, publicada em jornal local, recorte integrante do acervo preservado por Etelvina e transmitido aos herdeiros, é salientada a qualidade dos poemas. O acervo de Eduardo Guimaraens não possui este livro

A DIVINA QUIMERA

1916

A_DIVINA_QUIMERA_1326224341B.jpg

Foi escrita em Porto Alegre e publicada no Rio de Janeiro. As imagens são do primeiro volume publicado, encadernado por Eduardo e dedicado à Etelvina, musa do poeta. Imagens feitas a partir deste exemplar. Etelvina em foto de capa da Revista Vida, de 1916

DISPERSOS

2003

eduardo_guimaraes2.jpg

Dispersos reúne poesias inéditas de Eduardo Guimaraens, do acervo da família, organizados pela professora Maria Luiz Berwanger da Silva, uma das principais estudiosas de sua obra.Dispersos ganhou o Prêmio Açorianos Especial de Poesia em 2003.

POEMAS

2016

capa.png

"Poemas" (Libretos, 2018) foi escrito em 1926 em francês pelo poeta, falecido em 1928, e publicado em obra bilíngue, traduzida pelos poetas Lívia Petry e Alcy Cheuiche. O livro foi organizado pela neta do poeta Maria Etelvina Guimaraens 

AS FLORES DO MAL
de Charles Boudelaire
1920
capa.jpg

De 1917 a 1921, o poeta Eduardo Guimaraens trabalhou na tradução de Les fleurs du mal, de Charles Baudelaire. Eduardo finalizou seu livro em 1927. Passados quase cem anos, a organizadora (neta do poeta) encontrou um volume atado com cordão de seda preto, na biblioteca da família. Eram os poemas traduzidos e datilografados, mais o prefácio e as notas do tradutor.

CARTAS & DEDICATÓRIAS

 
 
LACRE.png
ficha de bibliotecaBG.jpg
LACRE.png

ACERVO PESSOAL

Livros de seu acervo que podem ser folheados ao clicar

 
Parede de mármore

BIOGRAFIA

Escritortradutor e jornalista, considerado um dos maiores representantes da poesia simbolista no Brasil. Formou junto a Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens, a chamada "trindade simbolista" no Brasil.

É patrono da cadeira 38 da Academia Rio-Grandense de Letras

Linha do Tempo

certidão_Eduardo_in_EG_1892_1992_Rodrigo

1892

Nascimento

Eduardo Guimarães nasceu em Porto Alegre, em 30 de março de 1892, filho do português Gaspar Eduardo da Costa Guimarães e da brasileira Balbina da Silveira Guimarães. Poeta simbolista, também foi escritor, tradutor e jornalista. Assinava suas obras como Eduardo Guimaraens, mas muitas vezes simplesmente E G, além dos vários pseudônimos que utilizava, entre eles Antonius.

aos lustres.png

1908

Primeiro Poema Publicado

Publicou seu primeiro poema, o soneto "Aos Lustres", no Jornal da Manhã, com 16 anos, em 1908. Neste mesmo ano publicou seu primeiro livro de poesia, Caminho da Vida.

Pleiade001-002.jpg
Pleiade003-004.jpg

1909

Fundação da Plêiade

Em 1909, juntamente com Homero Prates, Felipe de Oliveira, Francisco Barreto, Álvaro Moreira, Carlos Azevedo e Antonius (Antônio Fontoura Barreto) fundou a Plêiade, grupo que reunia escritores, poetas, músicos e artistas, os quais se encontravam na Praça da Misericórdia para debater e apresentar suas criações. 

LACRE.png

GALERIA DE FOTOS

Retrato com Babá - 1892
Foto Etelvina
RETRATO ETELVINA ART NOUVEAU_edited.png
Quadro Redondo
Etelvina Carnaval de 1920
Camargo com Werter em Paris
Desenho Antonius Barreto - 1914
Eduardo Guimaraens
Pierrot

OBJETOS PESSOAIS

 
 
LACRE.png
Foto Linhado Tempo.png
ENVELOPE.png
ORGANIZADORA

Maria Etelvina Guimaraens. Neta de Eduardo responsável pela organização e manutenção de seu acervo. Em 2018 assumiu o encargo de organizar e promover a publicação da obra inédita de Eduardo Guimaraens e de publicar livros esgotados. No mesmo ano, colaborou na organização da parede e vitrine do poeta na Exposição “Fernando Pessoa, minha arte é ser eu”, no espaço reservado aos colaboradores da revista “Orpheu”, bem como organizou a publicação de “Poemas”, livro até então inédito de poesias compostas em francês, que Eduardo concluíra em 1921. Em 2019 organizou o livro “As Flores do Mal, de Baudelaire. Seleção de Poemas”, tradução de Eduardo Guimaraens.

CONTATO

Obrigado por nos contatar!

 
LACRE.png